Sindicato quer telefonia e banda larga como serviços essenciais no Brasil

Serviços de telefonia móvel e banda larga deveriam ser mais acessíveis no Brasil. É o que defende o SindiTelebrasil, sindicato que representa as operadoras de telecomunicações que atuam no país. Segundo o órgão, os tributos gerenciados pela Anatel são frutos de litígio judicial, ou seja, apresentam algumas divergências quanto à interpretação da legislação aplicada nesse caso. Essa questão, conforme a entidade, reflete-se nos tributos cobrados sobre essas despesas, tornando-as mais caras.

Diante de reivindicações sobre o assunto, uma consulta pública foi publicada pela Anatel, que propõe novo regulamento de arrecadação de receitas tributárias. “A competência conferida pelas leis instituidoras desses tributos garante, dentre outras, a possibilidade de regulamentar aspectos relacionados aos procedimentos de cobrança e arrecadação, de forma a viabilizar uma tributação eficiente e a preservar as garantias constitucionais dos contribuintes”, aponta a minuta da proposta.

Com isso, a ideia é facilitar a vida dos cidadãos e diminuir a burocracia de operações relacionadas ao assunto. No futuro, devem ser feitos estudos pela agência com foco em diminuir falhas e reduzir a tributação no setor de telecomunicação, o que poderia se refletir positivamente no bolso do consumidor final.

powered by Rubicon Project
Em uma apresentação para a comissão da Câmara dos Deputados, em 2018, o SindiTelebrasil destacou que a carga tributária seria o “maior limitante ao uso de serviços telecom”. No caso, foi dito também que “para cada R$ 100 de serviços são pagos R$ 44 de tributos”. O responsável pela maior fatia de encargos seria o ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços –, que só em 2017 teria arrecadado mais de R$ 62,3 bilhões, do total de R$ 400 bilhões obtido em todos os estados.

Qualidade do serviço no Brasil também é um desafio
Pagar um valor menor para ter acesso a internet e ligações móveis é importante para os brasileiros, mas o setor ainda enfrenta outros desafios. Embora a Anatel tenha registrado no ano passado 13,6% a menos reclamações do que em 2017 – 2,9 milhões de registros contra 3,4 milhões no total –, as operadoras de telecomunicação seguem entre as empresas que mais recebem esse tipo de manifestação em órgãos e portais especializados em defesa do consumidor, como Procon e Reclame Aqui. Assim, com a ampliação desse tipo de serviço, o que se espera também é que as pessoas se tornem mais exigentes e busquem serviços que reflitam qualidade no atendimento e outros aspectos.

Fonte: 12/02/2019

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

INDICADORES ECONÔMICOS

Moedas - 22/02/2019 16:21:13
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,738
  • 3,740
  • Paralelo
  • 3,710
  • 3,900
  • Turismo
  • 3,710
  • 3,940
  • Euro
  • 4,239
  • 4,242
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,738
  • 3,737
  • Libra
  • 4,879
  • 4,883
  • Ouro
  • 158,780
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

NOSSOS PARCEIROS




Praça Ouro Preto, 88 - Sala 01 - (Av. Morangueira c/ Alexandre Rasgulaeff)
CEP 87033-410 - Maringa - PR
Fone/Fax: 44. 3267 7202
Site desenvolvido pela TbrWeb (XHTML / CSS)